• 29 de junho de 2022

Transparência: assembleia geral faz balanço das atividades de 2021, aprova prestação de contas 2020 e previsão orçamentária 2022

 Transparência: assembleia geral faz balanço das atividades de 2021, aprova prestação de contas 2020 e previsão orçamentária 2022

O Sindicomerciários Caxias realizou assembleia geral para prestação de contas da entidade referente ao ano de 2020 e previsão orçamentária para 2022, na noite desta segunda-feira, 06 de dezembro. Ambas foram aprovadas por unanimidade pelos presentes nesta que foi a primeira assembleia presencial no auditório da nova sede do Sindicato.

RESISTÊNCIA E AVANÇOS EM 2021

Além das questões orçamentárias, a assembleia também serviu para debater sobre o balanço das atividades do Sindicomerciários Caxias em 2021, ano marcado pela pandemia, assim como fora 2020. Foi consenso que se tratou de um ano difícil, mas no qual o Sindicato conseguiu consolidar seus atendimentos na nova sede o que possibilitou a ampliação dos serviços médicos, com a contratação de novos profissionais e novas parcerias, qualificando os atendimentos aos comerciários, comerciárias e, neste ano, estendendo a pais e mães de associados.

Apesar das enormes dificuldades geradas pela pandemia, o Sindicomerciários Caxias conseguiu manter-se pleno de atividades com foco na luta em defesa da categoria, da vida, da prevenção à pandemia e dos direitos, empregos e salários.

Neste sentido, conseguiu viabilizar Convenção Coletiva especial para período da pandemia com proteção aos empregos e à renda dos comerciários e comerciárias e, já na segunda metade do ano, com a campanha “Os comerciários e as comerciárias são essenciais”, conquistou a reposição integral da inflação nos salários e manutenção dos direitos da Convenção Coletiva de Trabalho, o que foi um dos melhores índices e acordos do RS e do Brasil.

Nilvo Riboldi Filho (presidente) , Silvana Ferraz (Tesoureira), Ivanir Perrone (Vice-presidente) e Guimar Vidor (presidente CTB-RS e Fecosul)

TRANSPARÊNCIA E INVESTIMENTOS

Para o presidente do Sindicomerciários Caxias, Nilvo Riboldi Filho, a transparência na gestão dos recursos do sindicato é fundamental, cada comerciário e comerciária deve saber como são investidos os recursos e o que é preciso para manter os atendimentos e a luta pelos direitos.

Além da ampliação dos serviços na nova sede, Nilvo destacou os investimentos de aproximadamente R$ 80 mil na Sede Campestre, que possibilitaram a iluminação do campo de futebol 7, melhorias na estrutura, reforma do parque infantil, pintura nova, reforma dos quiosques, jardinagem e a modernização da portaria com a implantação de máquina de cartão e internet, com um guichê de atendimento exclusivo para os comerciários e comerciárias.

Nilvo Riboldi Filho – Presidente do SIndicomerciários Caxias

BALANÇO DE ATENDIMENTOS

Nilvo também apresentou aos comerciários e comerciárias presentes o balanço dos atendimentos realizados pela entidade, que manteve toda a estrutura aberta mesmo durante a pandemia.

Até o momento, foram realizadas aproximadamente 6 mil atendimentos médicos, sendo 2.106 consultas de clínico geral, 471 de pediatria; 930 de psicologia; 1.173 de psiquiatria; 1.167 de ginecologia e, somente no último mês, quando ocorreu a troca de clínica odontológica, aproximadamente 90 procedimentos dentários.

O departamento jurídico realizou 780 atendimentos presenciais e 500 por telefone ou meios digitais, que resultaram em 118 processos trabalhistas e 11 em cíveis.

O departamento de dúvidas trabalhistas realizou 166 rescisões de contrato de trabalho; 5.010 atendimentos via telefone, e aproximadamente 3 mil presenciais, respeitando todas as normas de segurança por causa da pandemia.

A LUTA PELOS DIREITOS TRABALHISTAS

O presidente da CTB RS e FECOSUL, Guiomar Vidor, que também é diretor de Comunicação do Sindicomerciários Caxias, fez uma reflexão sobre o período conturbado que estão vivendo os trabalhadores no Brasil.

Guiomar lembrou da importância dos sindicatos, em especial o Sindicomerciários, neste período de sistemática perseguição aos direitos trabalhistas, iniciado nas reformas do Trabalhista e da Previdência, que além de não gerar os empregos prometidos, trouxeram o desemprego, precarização do emprego e a fome para milhões de brasileiros. “O nosso sindicato se manteve forte, mesmo com a perseguição do governo que após o golpe tenta enfraquecer as entidades sindicais para deixar os trabalhadores desprotegidos”, afirmou.

PERIGO À VISTA

Guiomar alertou para mais uma proposta de reforma para atacar os direitos trabalhistas que está tomando forma no governo Bolsonaro.

“Não bastasse este governo perder o controle da economia, deixando o povo na miséria, na fome, desemprego, e causando mais de 600 mil mortes por causa do negacionismo durante a pandemia, ainda reserva mais um pacote de maldades para os trabalhadores. Estamos vivendo um momento de desconstrução dos direitos trabalhistas e da Justiça do Trabalho. O que eles querem é a destruição da CLT, acabando com a proteção dos trabalhadores!”, alertou.

Guiomar Vidor – Presidente da CTB-RS e Fecosul.

PACOTE DE MALDADES CONTRA O TRABALHADOR

Guiomar elencou algumas das ameaças que o governo Bolsonaro e seus apoiadores estão querendo implementar, com a retirada de mais direitos para “garantir que as maldades apresentadas na Reforma Trabalhista sejam implementadas na sua íntegra, deixando o trabalhador sozinho nas mãos dos patrões, como a prevalência do negociado sobre o legislado”:

  • Liberação do trabalho aos domingos para todas as categorias;
  • Não reconhecimento do vínculo de emprego entre prestadores de serviços, como motoristas de aplicativos, em plataformas digitais. Barrando decisões judiciais que reconheçam o vínculo e os direitos da CLT;
  • Limitação da chamada substituição processual aos associados de um sindicato;
  • Tornar a quitação de acordo extrajudicial completa, e o juiz, proibido de homologá-lo parcialmente;
  • Permitir “liberdade sindical ampla” e deixar de ser obrigatório o uso dos conceitos de categorias e sistema confederativo para conceituação de sindicatos, o que deve enfraquecer ainda mais o sistema sindical e desproteger o trabalhador;
  • Admissão de sindicatos por empresas ou setor produtivo.

UNIÃO E LUTA EM 2022

Segundo Nilvo, presidente do Sindicomerciários Caxias, essas ameaças exigem muita união e luta em 2022 para não permitir que novos retrocessos ocorram. “2022 será um ano de muitas lutas para a classe trabalhadora e para os comerciários e comerciárias. Também será um ano eleitoral, no qual teremos de eleger um Congresso que apoie as causas dos trabalhadores e um novo governo que mude esse rumo de destruição e ódio por que passa o Brasil. O que precisamos é de um novo projeto nacional de desenvolvimento, com a valorização do trabalho, recuperação dos direitos, empregos e combate às desigualdades”, concluiu.

Comerciários

Posts Relacionados