• 27 de maio de 2024

NOTA

 NOTA

A CTB RS lamenta a postura atrasada e incoerente das entidades patronais – Fiergs, Farsul, Fecomércio – sobre o Salário Mínimo Regional divulgada pela imprensa.

É atrasada porque eles sempre foram contra o Salário Mínimo do Rio Grande do Sul e defendem a sua extinção. Ignoram, assim, que este é um dispositivo muito importante para garantir a dignidade de mais de 1,5 milhão de trabalhadores e trabalhadoras que fazem parte das categorias mais frágeis, como as empregadas domésticas, os motoboys e os assalariados rurais, entre outras. E que, ao valorizar a renda desses trabalhadores e dessas trabalhadoras, há um incremento na consumo que gera mais crescimento econômico, mais renda em outros segmentos e faz a roda da economia girar.

É incoerente porque ignoram que há uma defasagem no valor atual do Salário Mínimo Regional, que não teve as devidas correções do INPC durante os governos Leite. O que o governo está propondo, 9%, sequer repassa a inflação do período. Lembrando: ficaram 4,5% para trás no reajuste, ainda referentes a 2020; este que deveria ser somado aos 5,73% referentes a inflação com base em fevereiro deste ano. Só isso daria um reajuste de 10,47%.

As entidades patronais também são incoerentes quando negam a possibilidade de o Salário Mínimo Regional ter, ao menos, a reposição da inflação, quando em suas negociações coletivas, até mesmo nos períodos de pandemia, repassaram no mínimo o INPC nas Convenções e Acordos Coletivos firmados por seus representados.

A CTB e Fórum das Centrais consideram os 9% oferecidos pelo governo insuficientes, pois sequer repõe as perdas inflacionárias. Defendem, portanto, um reajuste de 15,42% para que o Salário Mínimo do RS tenha valorização real e volte a valer 1,28 salários mínimos nacionais, que fora o padrão na sua criação.

Comerciários

Posts Relacionados