REFORMA TRABALHISTA: 30 pontos destacado

carteira-trabalho-cortada85016 16.40.00

Este grave retrocesso que é a reforma trabalhista do governo Temer entra em vigor no próximo dia 11 de novembro. Além de visar o enfraquecimento dos sindicatos e do poder de negociação dos trabalhadores,  altera mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Um dos maiores retrocessos que ela impôs é a  prevalência do acordado sobre o legislado nas negociações trabalhistas. Ou seja, a CLT praticamente deixa de existir como “barreira” mínima de proteção aos direitos dos trabalhadores. Agora, mesmo que seja prejudicial, vai…

Leia mais »

Desigualdade, desemprego e violência: o país de Henrique Meirelles

meirelles98510

Programa de reformas do ministro da Fazenda é voltado a 0,2% da população, agrava disparidades sociais e econômicas e pretende promover um retorno ao período anterior a 1930. Por Samuel Pinheiro Guimarães O programa econômico do senhor Henrique Meirelles, atual ministro da Fazenda; ex-presidente do BankBoston entre 1996 e 1999 e do FleetBoston Financial; ex-presidente do Banco Central de 2003 a 2010, e, entre 2012 e 2016, presidente do Conselho de Administração da holding J&F, de Joesley Batista, é o programa do Mercado.2. É o…

Leia mais »

Reforma trabalhista acentua “fosso” salarial entre sindicalizados e não sindicalizados, diz Ipea

sindicato-sindicatovale

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgado pelo jornal Valor Econômico nesta terça (12) mostra que as novas regras trabalhistas, previstas na reforma aprovada no governo de Michel Temer, devem aprofundar as desigualdades salariais entre trabalhadores sindicalizados e não sindicalizados. Segundo o trabalho coordenado pelo pesquisador André Gambier Campos, os sindicalizados ganham 33,5%, em média, mais que os não sindicalizados. De acordo com o estudo, enquanto os trabalhadores não sindicalizados ganhavam, em média, R$ 1,675,68, os associados a sindicatos ganhavam R$ 2,237,86.…

Leia mais »

Ao completar um ano do impeachment, a crise se aprofunda e os direitos se perdem

dinheirama-brasil-crise-bandeira

O presidente ilegítimo Michel Temer assumiu a Presidência interinamente em 12 de maio, mas o golpe se consumou em 31 de agosto de 2016, com o afastamento definitivo da presidenta eleita Dilma Rousseff. Começa o terror para a classe trabalhadora. “As marcas do golpe são de um profundo retrocesso. A oposição à época juntamente com a mídia, banqueiros, grandes empresários, parte do Judiciário e parte da Polícia “política” Federal consumaram o golpe do capital contra o trabalho”, diz Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores…

Leia mais »

Sustentação da reforma trabalhista desconsidera processo civilizatório

carteira_de_trabalho112317

Por Clemente Ganz* O  mundo passa por profundas transformações econômicas e políticas. A produção econômica muda com a globalização do domínio do capital financeiro sobre a propriedade das empresas e das reservas naturais. Aos investidores são oferecidos rápidos e crescentes retornos, que engordam a riqueza já extremamente concentrada. Uma nova onda de mudanças tecnológicas integra plataformas de produção de bens e serviços em âmbito global e acelera as mudanças. A tecnologia substitui, em quantidades inimagináveis, a força de trabalho humana, desempregando e submetendo os trabalhadores…

Leia mais »