Qual a percepção dos brasileiros sobre as desigualdades no país?

foto115636

Uma pesquisa realizada pela Oxfam Brasil e pelo Instituto Datafolha identificou as percepções dos brasileiros e brasileiras sobre as desigualdades no país. O estudo, feito com 2.025 pessoas, em agosto de 2017, trata de temas como diferenças socioeconômicas, meritocracia, racismo, distinção de gênero e apoio do Estado. Uma das conclusões da levantamento é que as desigualdades são sentidas pelos brasileiros de maneiras diferentes para diferentes grupos.

Confira abaixo alguns dos principais dados da pesquisa: 

A Oxfam Brasil ainda destacou alguns pontos que enxerga como necessários para combater as desigualdades no país:

Titubação: diminuição da incidência de tributos indiretos; aumento dos tributos diretos; aumento do peso da tributação sobre patrimônio na arrecadação total; aumento da progressividade do IRPF para as camadas de rendas mais altas, criando faixas e respectivas alíquotas; eliminação dos juros sobre capital próprio; fim da isenção sobre lucros e dividendos distribuídos; avanço no combate a mecanismos de evasão e elisão fiscal; e fim de paraísos fiscais;

Gastos Sociais: orçamentos públicos das esferas federal, estadual e municipal com recursos adequados para políticas sociais, e que governos os executem; expansão de gastos públicos em educação, saúde, assistência social, saneamento, habitação e transporte público; revisão do teto de gastos imposto pela Emenda Constitucional 95; e medidas que melhorem a qualidade do gasto público, tornando-o mais transparente, mais eficiente, mais progressivo e com efetiva participação social;

Educação: drástico aumento na oferta de vagas em creches e escolas infantis, tanto pelo efeito educacional na criança quanto pelo papel de inclusão da mulher no mercado de trabalho; priorização de políticas sobre a preocupante evasão escolar – sobretudo de jovens negros – e a baixa qualidade do ensino público no País; aumento do alcance do ensino superior, sobretudo para jovens negros e de baixa renda; e implementação do Plano Nacional de Educação, o PNE;

Combate à discriminação: políticas afirmativas para reverter o quadro de discriminação e violência; maior inserção em ambientes excludentes, como universidades, serviço público, mercado de trabalho, entre outros; combate à violência institucional, sobretudo à violência de policiais contra jovens negros e no atendimento à saúde da mulher negra; e inclusão da igualdade de gênero e valorização das diversidades nas políticas públicas como base fundamental para a superação da discriminação racial, de gênero e outras;

Mercado de trabalho: direito ao exercício do trabalho decente no Brasil; revisão da reforma trabalhista aprovada recentemente, nos pontos em que ocorreu perda de direitos; salário mínimo em aumento contínuo em termos reais;

Democracia: mecanismos de prestação de contas e transparência, incluindo uma efetiva regulação da atividade de lobby e o fortalecimento das instâncias de participação da sociedade civil; combate à corrupção, algo central para o fortalecimento do poder público como agente de redistribuição de renda, riqueza e serviços; mudanças no sistema político, em debate amplo com a sociedade, no sentido de aprofundar nossa democracia, possibilitando a concretização das suas três dimensões, representativa, participativa e direta.

Fonte: Sul21
*Gráficos: Annie Castro e Giovana Fleck

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *