Previdência: “Se colocar para votar o Brasil vai parar”, avisam centrais

07-06-previdencia-quebrada14788850071

“Se colocar para votar, o Brasil vai parar” esse foi o tom da reunião das centrais sindicais (CTB, CUT, Nova Central, Força Sindical, CSB, UGT, Intersindical, CSP-Conlutas e CGTB) ocorrida na sede da Força Sindical, na manhã desta sexta-feira (24). Na pauta, uma resposta contra a nova proposta de desmonte da Previdência Social, apresentada nesta quarta-feira (22).

Além do presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, participaram o secretário-geral da central, Wagner Gomes; e o secretário de Relações Internacionais, Nivaldo Santana.

“Precisamos de uma resposta contundente contra essa emenda cosmética que Temer apresentou e que sepulta nossa Previdência Social. Sem pudor, o governo ilude, através de uma campanha publicitária sórdida e que mente descaradamente para o nosso povo”, asseverou o presidente da CTB, logo após a reunião das centrais.

Ele alertou sobre a nova estratégia da gestão Temer, que para aprovar uma perversa proposta, fatia a retirada dos direitos. “Temer mente e segue retirando direitos consagrados do nosso povo. Essa reforma não tem outro objetivo senão privatizar o maior sistema de distribuição de renda do país e condenar nosso povo a um futuro de fome e miséria”, acrescentou Adilson.

As Centrais definiram que a orientação será de mobilização total nas bases para a construção de uma GREVE NACIONAL dia 5 de dezembro. Além disso, reforçaram a pressão junto aos parlamentares em Brasília, já que o clima no Congresso é de constrangimento dos deputados e senadores para votar a proposta às vésperas de um ano eleitoral.

Foi unânime para os representantes das centrais a complexidade da luta tanto contra a Reforma Trabalhista como contra a Reforma da Previdência. Para os presidentes, na atual etapa, a estratégia será investir pesado em uma campanha de conscientização social nacional e as redes sociais serão o ponto de partida.

Para as centrais a palavra de ordem deverá ser: Resistir a todo custo contra o governo entreguista, em defesa dos direitos, contra a escravidão promovida pela reforma Trabalhista e as ameaças da reforma da Previdência e contra as privatizações.

Orientações:

● Greve Nacional no dia 05/12 com paralisações em todas as capitais;
● Campanha nas redes sociais; desmascarando as mentiras do governo acerca da reforma da previdência;
● Pressão nos deputados federais nos aeroportos e agendas públicas dos deputados;
● Realizar Assembléia e debate com as categorias;
● Panfletagem de 27 a 01/12;

 

Fonte: Portal CTB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *